Amar de longe não é fácil.
É complicado não acordar com aquele cheiro, aquele calor do corpo, aquele abraço.
É doloroso não ter aquela voz no ouvido, aquele colo, aquela risada boa e boba.
Pode ser logo ali, naquela cidade que fica a quarenta e cinco minutos de avião.
Pode ser lá longe, em outro país. Pode ser em outro estado. Pode ser do outro lado do oceano.
Não importa: a saudade arde. Mas serve para nos mostrar como o outro é importante.
Serve para mostrar como pequenas coisas fazem falta. A saudade faz a gente prestar mais atenção no outro.
E, principalmente, a saudade mostra o que é de verdade. Porque só os amores guerreiros sobrevivem ao tempo e à distância.